28 de março de 2011

Atendimento Publicitário: Requisitos Necessários

por Admir Borges (foto)*

Já tive a oportunidade de escrever sobre o perfil do Executivo de Contas, assim como as habilidades e competências necessárias para o desenvolvimento de uma carreira bem sucedida. No entanto, nas minhas conversas com empresários e profissionais, bem como em leituras a respeito da decisão das agências na contratação desse profissional, fica uma série de lacunas, pois há grande dificuldade no estabelecimento de um conjunto pertinente de requisitos para a escolha.


O processo fica ainda mais complicado quando é preciso estabelecer prioridades de perfil: a definição de um atributo apresentado em detrimento de outro demandado. O que pensam as agências? Querem um profissional com perfil estrategista, ou um organizado gestor pró-ativo de projetos? A busca é por alguém com o feeling acentuado, questionador, ou um ótimo negociador? É preciso ter uma boa apresentação e fluência, ou alguém mais reflexivo e criativo? E o emocional, como avaliar?

As questões se multiplicam e não existe fórmula para lidar com elas, nem estabelecer uma lista de prioridades. Para algumas empresas o Atendimento é uma função, para outras é um cargo e as demais ainda não conseguiram chegar a um acordo.


Vivemos um momento de reinvenção do negócio publicitário, mas o Atendimento continua na geladeira, esperando que os outros setores se resolvam. O que é um contrasenso, pois o Executivo de Contas está na linha de frente, sobre a corda bamba que separa o vôo do tombo, o sucesso do fracasso mercadológico de uma empresa de propaganda. Ele funciona como uma espécie de herói anônimo do negócio, que carrega a responsabilidade de pensar primeiro sobre as melhores soluções para o cliente.

Imagine a cabeça dos aspirantes - sem experiência - a Executivo de Contas, ao se apresentarem para disputar uma vaga. Outras perguntas pululam: preciso ter o talendo de um vendedor, ou habilidades organizacionais e estratégicas, ou conhecimento fundamentado, ou percepção afinada, ou networking, ou criatividade, ou diplomacia, ou senso de oportunidade, ou uma boa apresentação pessoal...

O fato é que a demanda por múltiplos atributos em uma só pessoa dificulta o processo de escolha. Muitas agências não conseguem equacionar um perfil adequado à sua cultura e gestão. A maioria não domina as métricas de avaliação de atributos tangíveis e muitíssimo menos dos intangíveis dos candidatos. Os empresários revelam que precisam de profissionais que façam a diferença, que possuam a capacidade de transformar de dentro para fora e de fora para dentro, de criar mercados para ideias e ideias para mercados, como um empreendedor determinado a provocar, principalemente, mudanças no cliente. Mas fica faltando definir os requisitos básicos e os requisitos que possam ser desenvolvidos na própria agência. Quem sabe possamos começar pelos atributos: vocação, determinação, paixão, ambição e visão?

-----------------
(*) Admir Borges é publicitário, formado pela Faculdade de Filosofia de Belo Horizonte e mestre em marketing pela UFSC. É professor universitário e pesquisador, além de consultor de Comunicação e Marketing. É autor do livro O Executivo de Contas Publicitárias: de contato a consultor de comunicação.

23 de março de 2011

O Poder do Elogio ou O Lado Psicólogo do Atendimento


Contribuição do redator João Pitanga* (foto), da Prósper Comunicação: um artigo bem humorado sobre o lado carente dos criativos e o papel do Atendimento que, muitas vezes, precisa usar de muuuuita psicologia com essa turma. Ai, jesuscristinho...

CRIAÇÃO TARJA PRETA

Tá achando que só artista tem crise existencial? Criativo também tem esse direito, esse trabalho também é arte, até que o cliente meta a mão, no melhor estilo Ditadura. O palco do criador é a mesa de Criação, onde quanto menos censura, melhor. É formado por um público crítico, capaz de fazer você ganhar a noite, ou perdê-la, dependendo do que foi apresentado no show. Receber um prêmio em Cannes é o ápice de uma ideia, a recompensa de muitos ensaios e noites mal-dormidas, talvez comparado à sensação de sair aplaudido em Woodstock. Ô loco, deve ser inesquecível.

É bom deixar claro que, além de artistas, uma agência de verdade tem grandes Psicólogos. Os criativos são os pacientes, insanos, perturbados, infectados pela Síndrome do Elogio, na expectativa de voltar melhor de suas consultas, que são campanhas, peças e orçamentos aprovados. Os Psicólogos são Atendimentos, Planejamentos, Gerentes, Diretores de Criação, aquele pessoal que comanda o divã e a medicação diária, composta por pílulas com efeitos colaterais variados: as palavras certas, na hora certa. É importante controlar a dose de acordo com o diagnóstico de cada um e agir rápido nos momentos de crise. Remedinho neles.

Se você integra essa rede de Psicologia Pró-Criativa, carregue a bula para aonde for. Vá além do tapinha nas costas, use a ciência do empurrão, do incentivo, do “vamos em frente”. Um criativo desmotivado e frustrado pode se tornar num filho da puta sem ideias. Use o Elogio conforme manda o diagnóstico abaixo.

Massaperidona. Nome comercial: MassaJob pronto, feito na correria, não deu pra sair nada além do normal, cliente tinha pressa. Mesmo assim, o criativo precisa da sua dose de Massaperidona. O MASSA é recomendado para pacientes com raras crises egocêntricas, essa dose baixa de Elogio já está de bom tamanho, ele vai reagir bem.

Maneirozil - Nome comercial: Maneiro
Recomendado para criativos com o mesmo perfil acima, porém, a substância costuma fazer mais efeito. Quando medicado, percebe-se uma melhora imediata de humor e disposição. É sempre bom deixar uma amostra grátis na criação.

Animalisadina - Nome comercial: Animal!
Essa substância deve ser mantida fora do alcance de pacientes com o Ego acima do normal, principalmente daqueles que nem merecem receber tal medicação. Manusear com cuidado. Se utilizada em excesso, corre-se o risco de desencadear um Ataque Extremo de Ego, que faz com que o paciente tenha alucinações, achando ser melhor do que realmente é.

Fodadupaston - Nome comercial: Foda, hein!
Pesquisas e tratamentos recentes comprovam que os pacientes respondem positivamente após ingerirem esse medicamento. Sua dose causa uma melhora visível da autoestima e fortalece a visão de novas ideias. Recomendado somente se a qualidade da criação corresponder a essa carga alta de Elogio.

Matouapauvotril - Nome comercial: Matou a Pau!
Difícil de ser encontrada no mercado atual, essa medicação tem efeito imediato e é motivo de estudo nas melhores faculdades da área. A Matou a Pau é forte, poderosa e deve ser utilizada apenas mediante prêmios nacionais e internacionais.

DucaFetamina - Nome comercial: Ducaralho
Tarja preta. Esse Elogio pode causar dependência e, no caso de abstinência, a crise volta mais pesada e destruidora para toda a agência. Poucos pacientes têm contato com esse tipo de medicação, que proporciona uma sensação estranha de se sentir em outro corpo, a Olivetite. Não recomendada para menores de 10 anos de experiência, podendo, nesse caso, levar à falência múltipla de algumas ideias.

Ou você é Paciente ou exerce a função de Psicólogo. Em ambos os casos, como tem sido a utilização do medicamento? Qual tipo de droga tem recebido? Qual tipo de droga tem prescrevido? Um Elogio sempre cai bem, mas vale lembrar o trecho de um samba: “o remédio que cura pode matar, como água demais mata a planta.”

-----------
(*) João Pitanga é graduado em Publicidade e Propaganda pela UVV (Centro Universitário Vila Velha) e trabalha como redator no Espírito Santo desde 2005. O blog dele é www.ataqueaereo.wordpress.com

16 de março de 2011

O Papel do Atendimento Num Mundo 24/7 - Palestra em Brasília

Na próxima segunda-feira, dia 21/3, estaremos eu e o Diretor de Atendimento da 141 Soho Square Orlando Videira dividindo o palco na Abertura do Semestre da Universidade Católica de Brasília (UCB) para discutir nosso papel num mundo conectado 24 horas, 7 dias por semana.

A Abertura do Semestre é um evento tradicional do curso de Publicidade e Propaganda, organizado pela agência júnior Matriz Comunicação É gratuito e aberto a toda comunidade acadêmica do Distrito Federal.

Inscreva-se. Há palestras e workshops bem bacanas durante a semana toda. Para ver a programação completa clique na imagem ou visite o twitter @matrizcomunica.

8 de março de 2011

É Carnaval. Uma Coisa Leva À Outra

Ah, o Carnaval...E pensando nisso, me veio à mente o antropólogo Roberto DaMatta. Me lembrei do seu livro Carnavais, Malandros e Heróis, leitura obrigatória na universidade quando da minha graduação em Publicidade e Propaganda. Fantástico. Não há como trabalhar com comunicação e consumidores sem refletir sobre a cultura e o comportamento social, não é mesmo? O Carnaval é um prato cheio para isso, como bem demonstrou o DaMatta.

Para quem, como eu, não é folião e está apenas curtindo um feriado prolongado; para quem quer ler um livro leve e gostoso e que resume o que é o Brasil e os brasileiros - e sem ter que sair de casa para comprar - fica aqui uma dica. Achei disponível na web o excelente "O que faz o brasil, Brasil?", do Roberto DaMatta (link).

Bom Carnaval!

1 de março de 2011

Diretora de Contas: Sua Mãe Sabe O Que Você Faz?

video

Este vídeo é simplesmente hilário. Foi criado em 2009 para a divulgação dos Prêmios IMÁN, na Espanha. Faz parte de uma série que mostra mães tentando explicar funções e ferramentas publicitárias.