2 de maio de 2012

Resposta ao Artigo "Por que Atendimento Não Reage?"

Kátia, estive lendo seu blog e a matéria Por que o atendimento não reage? e me questiono: reagir como?

Quando iniciei no mercado de trabalho, atuei em agências de promoção e eventos, como promotora, degustadora, recepcionista de eventos e feiras, depois fiz técnico em Publicidade e me graduei em Marketing. Passei a trabalhar em editoras e agências de marketing, mas sempre na área de atendimento, vendas e produção.

Hoje trabalho em uma agência de campanhas e viagens de incentivo, vejo que muita coisa mudou e evoluiu, bem como as agências se especializaram em suas expertises, as funções se tornaram mais homogêneas e muito se falou, se fala, se trabalhou e se trabalha para que todos ajam em "equipe". Mas no artigo tem a informação de que se tem os Clubes de Criação, o Grupo de Midia, de Planejamento, mas como estabelecer, como formar um Grupo de Atendimento?

Abraços,
Caterine Gulke - São Paulo
----------------------

Caterine,

Há uma entidade que representa a nossa categoria, sim. No Rio de Janeiro há o GAP – Grupo de Atendimento e de Planejamento, que existe há muitos anos. Eu mesma fiz parte das duas últimas gestões, até 2011. Realmente o GAP passou por fases nem tão ativas, mas tem feito seu trabalho pela valorização e formação de profissionais. Recentemente, a APP, em São Paulo, formou um grupo focado na valorização do Atendimento, encabeçado pela Angélica Armentano.

Eu mesma considero que (re)ajo bastante. Desde 2007 tenho um blog focado em Atendimento, sou professora da disciplina na ESPM, dou cursos e workshops sobre Atendimento e atuo em agência.

Minhas ações não são solitárias, elas visam o coletivo, a divulgação e a valorização da atividade de Atendimento Publicitário, a provocar discussões e reflexões. Sempre procuro me conectar com as pessoas que estão na mesma sintonia fazendo a sua parte em qualquer canto desse país.

Independentemente disso, discordo da premissa do artigo do Quartiermeister, isto é, que o Atendimento, sendo tão importante, de alguma forma aceita ser uma subcategoria na galeria de tipos inesquecíveis da publicidade. Seguimos realizando nosso trabalho e fazendo parte indissolúvel das agências.

Talvez a impressão de não-reação do Atendimento venha da própria natureza da atividade. Nós trabalhamos para o bem comum e não para nós mesmos. Talvez não haja grupos de Atendimento espalhados por aí porque a gente esteja mais preocupado em gerir pessoas e tarefas de todas as áreas e não em formar grupos onde só nós atuamos. Freud explica...

Um abraço,
K.Viola

2 comentários:

Eric Roger Brito Castro disse...

Olá Kátia!

Descobri seu blog a algumas semanas, e achei fantástico todo o conteúdo e a temática focada em atendimento Publicitário.

Sou atendimento na Agência Circus (SP) - www.circus.ag e amo muito o que faço, por um tempo estive atuando em outra área (T.I) mas percebi que nasci mesmo para lidar com o ser humano, acho fascinante instigante esse trabalho.

Você está de parabéns por ter perseverado com seu blog a vários anos, dificilmente alguém se mantem tanto tempo.

Acaba de ganhar um leitor assíduo do seu blog.

Sucesso!
Abraços,
Eric Roger

Kátia Viola disse...

Eric,
Obrigada pela audiência e pelo carinho. Sucesso pra vc.
KV.