12 de abril de 2010

Prazo é Coisa Séria

Lendo a edição de abril da Você S/A, me deparo com o excelente artigo de Célia Leão* sobre essa verdadeira "doença" que são os atrasos, ou melhor, sobre os doentes: os atrasadinhos de plantão que acabam por desorganizar o trabalho de vários profissionais. Há uns dias fiz justamente um post sobre esses "ladrões de tempo", portanto o artigo da Célia caiu como uma luva para complementar o raciocínio. Taí:

Abaixo o não deu para fazer!

Como dizia o velho sábio Luiz Gonzaga, “minha vida é andar por este país”. Por causa disso, creio ser conhecida por minha intolerância aos atrasos. Exceção feita às exceções, não costumo perdoar os atrasados — de amigos a médicos, passando por umas tantas noivas que ainda creem que esse hábito horroroso possa ser chique. Conversando com uma amiga dias atrás, ouvi uma frase sobre a qual vale a pena refletir com vocês. Disse ela que “ser profissional não é dizer que não deu para fazer; é avisar antes que não vai dar”.

Quando redijo a coluna, tenho prazos a cumprir e, se porventura não os respeitar, acabo por atrasar o trabalho de todos os profissionais que finalizam meu artigo. Ou seja, desencadeio correrias desnecessárias e comprometo o horário dos outros, que, afinal das contas, nada têm a ver com meus problemas e acabam tendo dificuldades e dores de cabeça por causa de falhas que não são deles! Assim, espero que, de uma vez por todas, não confundamos mais ser assertivo com ser agressivo ou indelicado.

É um prazer trabalhar com quem cumpre o prometido

Assertiva é a pessoa que, ao receber uma solicitação da chefia ou de algum par da equipe, ouve atentamente, analisa seus compromissos e, com objetividade, afirma que a tarefa que está sendo pedida não poderá ser feita no prazo requerido. E negocia um prazo possível. Isso evita expectativas frustradas e os atrasos em cadeia. Também mostra a seus colegas e à sua chefia que estão lidando com um profissional responsável, ciente de suas possibilidades e de suas impossibilidades.

É sempre um prazer conviver ou trabalhar com alguém que, por meio de mínimos gestos, demonstra respeito e apreço por seu tempo, além de jamais minimizar a importância de seu trabalho.

Esse é um dos muitos atributos do ser humano elegante. E as pessoas mais assertivas, mesmo que sem perceber, acabam por ser agentes desse sentimento em seu convívio com pares no escritório e com amigos e demais pessoas que são parte de sua vida. Dê um basta ao “não deu para fazer” no seu dia a dia.
(*) Célia Leão é autora de Boas Maneiras de A a Z (Editora STS) e consultora de etiqueta empresarial.

Um comentário:

carolzinhacm disse...

Concordo plenamente e luto bastante contra prazo descumprido em cima da hora. bjs
Carol Mota