28 de março de 2011

Atendimento Publicitário: Requisitos Necessários

por Admir Borges (foto)*

Já tive a oportunidade de escrever sobre o perfil do Executivo de Contas, assim como as habilidades e competências necessárias para o desenvolvimento de uma carreira bem sucedida. No entanto, nas minhas conversas com empresários e profissionais, bem como em leituras a respeito da decisão das agências na contratação desse profissional, fica uma série de lacunas, pois há grande dificuldade no estabelecimento de um conjunto pertinente de requisitos para a escolha.


O processo fica ainda mais complicado quando é preciso estabelecer prioridades de perfil: a definição de um atributo apresentado em detrimento de outro demandado. O que pensam as agências? Querem um profissional com perfil estrategista, ou um organizado gestor pró-ativo de projetos? A busca é por alguém com o feeling acentuado, questionador, ou um ótimo negociador? É preciso ter uma boa apresentação e fluência, ou alguém mais reflexivo e criativo? E o emocional, como avaliar?

As questões se multiplicam e não existe fórmula para lidar com elas, nem estabelecer uma lista de prioridades. Para algumas empresas o Atendimento é uma função, para outras é um cargo e as demais ainda não conseguiram chegar a um acordo.


Vivemos um momento de reinvenção do negócio publicitário, mas o Atendimento continua na geladeira, esperando que os outros setores se resolvam. O que é um contrasenso, pois o Executivo de Contas está na linha de frente, sobre a corda bamba que separa o vôo do tombo, o sucesso do fracasso mercadológico de uma empresa de propaganda. Ele funciona como uma espécie de herói anônimo do negócio, que carrega a responsabilidade de pensar primeiro sobre as melhores soluções para o cliente.

Imagine a cabeça dos aspirantes - sem experiência - a Executivo de Contas, ao se apresentarem para disputar uma vaga. Outras perguntas pululam: preciso ter o talendo de um vendedor, ou habilidades organizacionais e estratégicas, ou conhecimento fundamentado, ou percepção afinada, ou networking, ou criatividade, ou diplomacia, ou senso de oportunidade, ou uma boa apresentação pessoal...

O fato é que a demanda por múltiplos atributos em uma só pessoa dificulta o processo de escolha. Muitas agências não conseguem equacionar um perfil adequado à sua cultura e gestão. A maioria não domina as métricas de avaliação de atributos tangíveis e muitíssimo menos dos intangíveis dos candidatos. Os empresários revelam que precisam de profissionais que façam a diferença, que possuam a capacidade de transformar de dentro para fora e de fora para dentro, de criar mercados para ideias e ideias para mercados, como um empreendedor determinado a provocar, principalemente, mudanças no cliente. Mas fica faltando definir os requisitos básicos e os requisitos que possam ser desenvolvidos na própria agência. Quem sabe possamos começar pelos atributos: vocação, determinação, paixão, ambição e visão?

-----------------
(*) Admir Borges é publicitário, formado pela Faculdade de Filosofia de Belo Horizonte e mestre em marketing pela UFSC. É professor universitário e pesquisador, além de consultor de Comunicação e Marketing. É autor do livro O Executivo de Contas Publicitárias: de contato a consultor de comunicação.

4 comentários:

Anônimo disse...

Gente, por os textos são tooooodos em itálico? O itálico é pra destacar uma parte do texto, ou outra. Fica ruim de ler o texto inteiro. Essa é só minha opinião, mas com certeza mais pessoas deixaram de ler o texto porque os olhos reclamaram.

Kátia Viola disse...

Anônimo, os textos em itálico são aqueles escritos por outros autores, que não eu. É uma forma de diferenciá-los. Talvez você não tenha percebido porque é novo por aqui e não passeou mais pelo blog. A maioria dos posts são de minha autoria e não estão em itálico.

Maira disse...

Que pena mas que bom, só achei este blog hoje!!
O Admir foi meu professor na faculdade em 2006...Grande coincidência. Estava procurando um blog onde pudesse ver se atendimentos publicitários sentem, refletem sobre alguns questionamentos que tenho feito.Espero acompanhar o seu blog e poder tirar duvidas e compartilhar pensamentos!!Sobre o texto do Admir, já vivi este fato na pele inúmeras vezes...A agência muitas vezes não sabe o que precisa em um profissional de atendimento e muitas vezes acaba por delegar funções absurdas e caímos sempre no mesmo lugar, atendimentos sobrecarregados executando um atendimento mediano para os clientes.
Assim que possível volto com mais calma no blog!

Abs,

Izabela

Bela Myrrha disse...

Que pena e que bom que achei este blog!! podia ter achado a mais tempo..-)
Estava procurando na net blog, artigos de pessoas que trabalham com Atendimento publicitário, acabei achando este com um artigo de um professor da minha faculdade em 2006. Sobre o texto do Admir, já vivi este fato na pele inúmeras vezes...A agência muitas vezes não sabe o que precisa em um profissional de atendimento e muitas vezes acaba por delegar funções absurdas e caímos sempre no mesmo lugar, atendimentos sobrecarregados executando um atendimento mediano para os clientes.