27 de julho de 2008

Compartimentar x Compartilhar

Pode até ser um privilégio ser cliente. Mas quando o Atendimento é percebido e tratado como cliente por algum setor ou algum outro membro da agência essa é uma situação pra lá de desconfortável. Não é nada bacana, nada interessante, não é nenhum privilégio ser apresentado ao trabalho pronto sem ter participado do processo pós-briefing. Muito pelo contrário. É segregador, excludente. E antiproducente.

Há quem insista em realizar seu trabalho isoladamente, sem compartilhar dúvidas e certezas ao longo do processo. A explicação é sempre a mesma: "preservar" o produto final das interferências, supostamente para manter a qualidade do trabalho. Por que isso acontece? Porque tem gente que tem alergia a opinião. Que odeia pensar na possibilidade de estar errado ou de ser questionado. Ou até que tem preguiça de mudar de rumo, mesmo que haja um argumento sólido para isso. Entregar o trabalho pronto é a sua forma de exercer poder, de dizer que só você sabe o que é melhor. Sem contribuir no processo de trabalho, torna-se mais difícil a outra parte se sentir responsável pelo resultado final. Ampliam-se as chances de que algo não esteja bem amarrado e, portanto, idas e vindas de trabalhos podem se tornar constantes.

Por outro lado, tem gente que não sabe dar opinião, que não acrescenta, que não complementa. Simpesmente censura. Quando se junta ao grupo para discutir um trabalho carrega consigo uma lista de policies. Em vez de ver o todo, se preocupa primeiro com os detalhes e quer logo apontar o que pode estar errado. Esse aí também pensa que essa é a sua forma de exercer poder, de dizer que sabe o que deve ser feito. Em vez de se engajar no projeto, se coloca acima do que foi realizado. De novo, ampliam-se as chances de que algo não esteja bem amarrado e, portanto, idas e vindas de trabalhos podem se tornar constantes.

Pedemos tempo e dinheiro. Perdemos a paciência. Perdemos a motivação.

Essa não é uma situação muito fácil de ser resolvida. Mais que o esforço individual de quem tem consciência a respeito dessas coisas, isso passa por uma mudança de cultura. Nos livros, nas escolas, nas revistas de negócios está tudo bem claro: estamos vivendo um momento em que as corporações dos mais diversos segmentos (não só a publicidade) prezam a colaboração como uma competência primordial. Leia-se "trabalho em equipe". Mas quantas agências modernizaram suficientemente seu modo de pensar e seu "organograma" para fazer valer a colaboração e não a competição?

Trabalhar em equipe é fundamental para o Atendimento. Ele, sozinho, nada realiza. Está na hora da gente refletir sobre essas coisas para tentar reverter esse processo. Desde um belo mea-culpa até a busca de posições em empresas que realmente prezam esses valores na prática. Discurso só não conta.

2 comentários:

Izabel Dias disse...

O blog é maravilhoso! Me ajuda muito. Obrigada e parabéns!

Bruno disse...

Muito bom seus posts! Sempre bem pensados, e extremamente adequados para nós, profissionais do ramo.
Parabéns!